O Meu Silêncio
   



BRASIL, Nordeste, SOBRAL, Parque Silvana - I, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, Spanish, Livros, Arte e cultura, Escrever e ler
Yahoo Messenger -
border=0
 
   Arquivos

19/09/2004 a 25/09/2004
22/08/2004 a 28/08/2004
01/08/2004 a 07/08/2004
25/07/2004 a 31/07/2004
18/07/2004 a 24/07/2004
11/07/2004 a 17/07/2004
04/07/2004 a 10/07/2004
27/06/2004 a 03/07/2004
20/06/2004 a 26/06/2004
13/06/2004 a 19/06/2004
06/06/2004 a 12/06/2004
23/05/2004 a 29/05/2004
16/05/2004 a 22/05/2004
25/04/2004 a 01/05/2004
 
border=0
Outros sites

 Sobral, Ce
 UOL SITES
 Mar da poesia
 Retalhos e Pensamentos
 Fragmentos
 UOL
 Associação Brasileira dos Químicos
 Plantaforma da Estação
 Vida em Parábola
 Ar de Amor
 Colcha de Retalhos
 Eventos de Sobral
 Tiago Pessoa
 Chico Sena
 Ser Somente Mulher
 Diana-Dru
 Loba Mulher
 Encantos


Votação
Dê uma nota para meu blog



border=0
 


Viagem

Acordamos sedo. Agora são exatamente 7h30. Estamos de saída para Fortaleza. Iremos levar Déborah ao Hospital Sarah para exames rotineitos. Na quarta-feira estaremos de volta. Até outro dia. Um abraços a todos e volte sempre a visitar O meu silêncio.

Escrito por Por Vaumirtes Freire às 06h42
[   ] [ envie esta mensagem ]








Escrito por Por Vaumirtes Freire às 01h58
[   ] [ envie esta mensagem ]








Escrito por Por Vaumirtes Freire às 01h11
[   ] [ envie esta mensagem ]






Déborah é minha janela para o Céu, pois quando estou ao seu lado sinto a presença de Deus. Vê-la, ali em silêncio a retalhar o nada com o olhar, faz-me sonhar de que que fala ao meu coração as mais belas poésias. Talvez diga bem baixinho: "Papai,Papai."

Escrito por Por Vaumirtes Freire às 01h38
[   ] [ envie esta mensagem ]






Poesia



Escrito por Por Vaumirtes Freire às 00h55
[   ] [ envie esta mensagem ]






Gotas de silêncio- II

24/05/2004 I- ******** Déborah sorria diante das consecutivas tentativas sem sucesso para conseguir encher a colher de sopa. Eu observava afogado de emoções e lhe incentivava a não desistir, mesmo que às vezes pensasse que não me entendia. Depois de várias tentativas frustradas, ela conseguiu. Olhou para mim como se perguntasse o que fazer depois e começou a dar lindas gargalhadas, parando a colher no meio do caminho, talvez porque seu celebro não repassava mais comandos as suas mãozinhas. Mesmo assim ela sorria. Por alguns segundos tentei ouvir o silêncio dos seus olhos tão felizes e tive a impressão de que ela pedia palminhas, pois havia conseguido algo que para ela era inédito, e antes mesmo que eu a aplaudisse, Déborah bateu palmas para ela mesma, derramando o restante de sopa que ainda havia na colher...e nós caímos na gargalhada. Era a primeira vez que ela parecia entender o tempo ao seu redor.percebi que havia conseguido sintonizar na mesma freguência minha, pois sempre que pedi, ela repetia a tentativa. Feliz, chamei a Suelane para ver aquele momento mágico.”A Debinha quer comer sozinha.” – falei. Foi por pouco tempo. Minutos depois ela voltou ao seu mundo de silêncio, ignorando minha presença e até mesmo a necessidade de se alimentar, pois mesmo sua mãe tendo insistida várias vezes, naquele Domingo, ela não quis comer. ______________________________________________________________________________________________

Escrito por Por Vaumirtes Freire às 22h37
[   ] [ envie esta mensagem ]






[ ver mensagens anteriores ]
border=0